segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Alma do sonho

Sonhar sonho etéreo que no alto ondula,
sonho, talvez, levado pelo vento;
aqui no chão andando a passo de mula,
vai a alma em busca dalgum alento.

Porém, o sonho com alma copula;
desse encontro o poema é rebento,
do poeta que assume sua gula,
de gravar em pedra o pensamento.

Sonho, alma e poeta, a feliz fusão,
que só beleza ao Planeta nos traz;
o vate esse construtor de ilusão,
daquele sonho, um poema ele faz.

Se pode dizer sim, jamais diz não,
porque de criar sonho é capaz.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Convocação

Poetas!  Sigamos  juntos,  altivos!
usemos nossos cérebros potentes,
produzindo   poemas  expressivos;
os melhores que fazem nossas mentes.

Passemos a ser bardos redivivos,
nossas vozes troantes e frementes;
nenhum  poema estático / passivo,
contudo de exclamações refulgentes.

Ocupemos o que houver de espaço
com amplo talento, contudo, lasso,
eficaz, mas dum expressar brando.

Pois recuperemos todos e cada,
numa obra sólida mas motivada,
que pelo mundo saia badalando.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Utopia

Na vida, segundo minha vontade
Não teria espaço para o pranto
Tampouco desavenças e maldade
Predomínio da amizade no entanto.

Desaparece a dor e ansiedade
O dia-a-dia quase um só encanto
Não nos falariam da eternidade
Ou dos poderes de qualquer santo.

Não seria cada um pra seu lado
Mas, por certo, um viver descolado
E sem desânimo nem amargura.

Ao invés de armas, amor a rosa
E nada da tal senda dolorosa
Acaba todo ódio, fica a doçura.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

O Baobá e eu

Baobá australiano de 18 anos

Eis-me pasmo, talvez mesmerizado,
em  frente  a  um  majestoso  baobá;
que na Austrália muito adaptado,
cresce  muito  e bonitas  flores  dá.

No pequeno Príncipe era portento,
que  crescia  num planeta  pequeno;
lembro, conquistou vero sentimento,
como fosse  vivente  extra  terreno.

Depois, plantei vários no Brasil,
precursores de beleza, eu espero,
para quem gostaria, mas não viu.

Baobá,  um  gigante  mui  sincero,
portentoso,  jamais  fracote ou vil,
da minha janela admira-lo eu quero.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Bloco dos sujos


Ilustração da internet

Pela avenida, como fora um bando,
e distante dalgum mero senso estético,
o bloco dos sujos, sua cara mostrando,
porém ocultando aquele lado antiético.

Deputados e senadores ali cantando,
sob patrocínio dum carnaval sincrético;
esses sem noção, que se julgam no comando,
tentam dar a seu poder um valor poético.

A cambada de energúmenos excitados,
que, ridículos mas se achando sensuais,
mas apenas mugindo como fossem gados.

No plenário são mandões, os maiorais,
aqui são  somente  porcos  fantasiados,
verdadeiros  palhaços desses carnavais!

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Caminho da vida

Cada um deseja seu próprio espaço,
também abraçar a própria história,
sem descartar um pouquinho de glória
mas, esquece que lhe trará cansaço.

Melhor traçar um caminho mais lasso,
já que a vida é sempre transitória;
então não possui senda obrigatória
porém, comporta mudança de traço.

Contudo, não faça linha estranha,
pois da complicação nada se ganha,
procure o horizonte e se oriente.

O mundo é uma experiência enorme,
dinâmica, mudando enquanto dorme,
mas tudo que acontecer você sente.

Web

oje, apenas a internet a palavra dá
Á lacre ou não, mas dona da verdade
nteressa saber, veja na web o que há
ada escapa, do miúdo à variedade.

udo o que existe ou existiu, está lá
E ela tem valioso dom da ubiquidade
ogo, se procura, por certo encontrará
ncrível, e até demonstrável potestade.

rande, esta incontestável potência
Ê nfase na pura e correta afirmação
o entanto, indago: há inteligência?

ada resposta também admite não?
nclusive, embutida a consequência?
ssim de modo a haver contradição?
?